19.10.09

Revivências

Continuam a haver sentimentos em mim que insistem e persistem...


«Estou distintamente vivo.
E vivo na distinção de morrer a cada momento de alegria,
nesta vida cheia de nada.
Estou distintamente vivo
e confesso que até dói,
quando me atiram à cara que o mundo morre a cada dia,
Se sou eu que morro e ninguém nota.
Estou distintamente vivo.
Já nada me detém de viver.
Nem a curva apertada,
nem a faca afiada da noite que me procura...
sempre.
Estou distintamente vivo
e sei-o tão bem.
Tão bem que me apunhá-lo a cada passo...
e não sangro.
Logo,
Estou distintamente vivo!
É a vida que me mata.
Se na morte me saudar,
Se na morte me recolher,
Se na morte adormecer,
Niguém mais,
Nunca mais
me vai poder matar...

Estou distintamente vivo.
Só me falta respirar...

Lder JP Santos »


Algures em 2006...