26.3.12

Até Amanhã (hoje é dia de saudades)

















Hoje é dia de saudades.
Daquelas que ficaram em lume brando e cozeram demais;
que antes transbordaram
e sujaram tudo no salto da fervura.

O Sol já não é o mesmo,
reparaste?
O caminhar antigo não passa agora de uma miragem,
um adeus qualquer amassado e seco
           - aquele antever dos passos queimava,
                                                 só de escutar.

Hoje é dia de saudades
e aquilo que mais temo é esquecer-me de as sentir,
de embrulhar tudo em papel vegetal,
fechas as portas com fios de cabelo
e ficar à espera que tu repares;
que batas à janela e me digas "bom dia",
oferecendo-me café, pão com manteiga e abraços.

Hoje é dia de saudades
e o teu passo já não é o mesmo...

"Até amanhã".